Para a sua empresa crescer, a conexão com os funcionários é fundamental
BeBold
BeBold

maio 25, 2023

Comunicação Interna: Conexão com os funcionários

Construir a jornada do colaborador como parte estratégica dos objetivos de desenvolvimento é essencial para garantir o engajamento, o direcionamento e os melhores resultados de seus profissionais.

Se o desafio da sua empresa para 2023 é atingir novos patamares no mercado, a comunicação interna é um dos fatores de sucesso da sua estratégia.

Que tal aumentar o nível de informação, alinhamento e engajamento das equipes, contribuindo com o clima organizacional, a motivação, a performance dos profissionais e os resultados?

Programas eficazes de mudança e comunicação aumentam em 3,5 vezes as chances das empresas superarem suas concorrentes, segundo pesquisa da ThinkTalent. Por isso, a priorização da Comunicação Interna, com estabelecimento de canais e narrativas adequados à realidade da empresa é essencial como forma de fortalecer a sua cultura organizacional, alinhar internamente os novos caminhos da organização, manter o clima organizacional em alta e o engajamento dos profissionais, permitindo à empresa atingir seus objetivos de negócio.

Ao valorizar internamente sua história, seu capital humano e o seu potencial para um futuro próximo, a empresa aproveita o momento de evolução para atrair e desenvolver os melhores talentos para a sua equipe; para transformar os seus funcionários em embaixadores da marca e propagadores do portfólio que a empresa oferece; além de garantir o engajamento e a produtividade ainda maiores de suas equipes, que terão o “orgulho de pertencer” mais evidente em seu dia a dia.

Jornada do Colaborador

Segundo a consultoria McKinsey and Company, a produtividade aumenta de 20 a 25% em empresas onde os colaboradores estão bem conectados. Então, independentemente do momento que a sua empresa esteja vivendo, construir a jornada do colaborador como parte estratégica dos objetivos de desenvolvimento da empresa é essencial para garantir o engajamento, o direcionamento e os melhores resultados de seus profissionais.

O público interno sempre deve ser priorizado, tendo acesso a canais de comunicação com linguagem adequada, conteúdo relevante, periodicidade bem definida e acesso ao diálogo.

E, principalmente, sentindo-se bem informado sobre as transformações da empresa, tendo a real noção das oportunidades de desenvolvimento que eles podem ter e como podem ajudar neste processo.

Precisam entender que eles fazem parte da evolução do negócio, que também são responsáveis pelo patamar em que a empresa se encontra atualmente e que tem muito a contribuir para o seu crescimento.

Os canais de comunicação devem ter suas pautas, tom de voz e identidade visual conectados. Devem permitir que a empresa marque presença no dia a dia dos funcionários, gerando uma conexão positiva, que também estimula o diálogo entre os diversos públicos. A linguagem deve ser acessível, não pode ser técnica ou burocrática. A comunicação com o funcionário deve ser objetiva, com uma linguagem humanizada e aproveitando oportunidades para conversar com os funcionários.

O storytelling deve fazer parte desta estratégia de comunicação, com uma linguagem e um formato que envolvam o público interno com a narrativa da empresa, tornando-a atrativa e conectada com a realidade dos seus profissionais.

Proximidade e acessibilidade têm que ser as palavras-chaves na escolha dos canais de comunicação interna, que devem marcar presença, seja na palma da mão, na tela do computador, no mural da área de produção ou no restaurante. Devem permitir o contato permanente com todos os profissionais e, eles, com a empresa.

A periodicidade entre os canais pode se alternar, fazendo com que a comunicação seja permanente e adequada com a realidade do público interno. A prioridade deve ser mantê-lo engajado com os temas internos e bem informado sobre a empresa, seus negócios, seus profissionais, seu mercado de atuação e seu direcionamento estratégico. Não pode ser em excesso, mas não pode faltar. Ao serem impactados periodicamente por canais de comunicação interna, os profissionais se sentem valorizados e, bem informados, têm maior capacidade de realizarem alta performance e se desenvolverem permanentemente.

Quem fala?

Todos devem falar. A empresa fala, conta suas histórias; a alta direção fala, dá direcionamentos; os colaboradores falam, apoiam na construção de conteúdo, agregam em conhecimento e opinam; a área de Recursos Humanos fala, ressalta os benefícios e as oportunidades; a liderança fala, conversa com sua equipe, responde dúvidas, dá direcionamentos, estimula a alta performance; o mercado fala e mostra as melhores práticas por meio de cases e notícias atuais.

A comunicação interna deve priorizar o diálogo. O colaborador “ouve”, mas também “fala”. Seja com a alta direção, seja com Recursos Humanos, seja com o líder direto, outros líderes, com os pares ou com novos colaboradores. O diálogo empodera o funcionário, gera sensação de pertencimento, valoriza suas ações.

Líder Comunicador

Os líderes devem assumir o papel de comunicadores junto às suas equipes. Indo além dos temas técnicos e relacionados à rotina de trabalho diária, devem estabelecer o diálogo individual e, principalmente, coletivo com a sua equipe, trazendo os principais temas institucionais para a pauta permanente, estimulando sua equipe a estar inteirada sobre os acontecimentos da empresa e vivenciando os valores organizacionais na prática.

Para isso, eles precisam ter alinhamento com a alta direção e estar sempre bem informados, entendendo a importância do seu papel como comunicadores de temas institucionais: devem ser preparados e devem ser cobrados, permanentemente, por colocar em prática este modelo de comunicação.

A liderança comunicadora deve fazer parte das habilidades do líder, abordando os temas corporativos de maneira estruturada, informando e ouvindo os colaboradores. Assuntos relacionados à cultura organizacional, carreira, benefícios e outras oportunidades que a empresa oferece não podem ser assuntos exclusivos de Recursos Humanos, mas devem, sim, fazer parte do dia a dia da conversa franca com o líder. Isso gera conexão e alta performance!

O diálogo corporativo aberto é essencial para o sucesso dos negócios, pois, ao entender o direcionamento estratégico da empresa, o funcionário se sente integrante desta realidade.

Tendo oportunidade de falar, de contribuir com ideias, de criticar, ele entende a sua importância e passa a vestir a camisa. Ouvir o funcionário também é essencial para medir o clima organizacional, identificar conflitos e pontos a serem melhorados na relação profissional-empresa.

Campanhas específicas ou pautas dos canais de comunicação interna podem ser definidas com base na observação permanente das “conversas” da organização. Não faltam motivos para a comunicação de mão dupla ser estimulada!

Mas como colocar tudo isso em prática?

Montando um planejamento de Comunicação Interna que tenha uma estratégia definida a partir do perfil do público-alvo, dos objetivos e da realidade da empresa, envolvendo não somente os canais já estabelecidos, mas campanhas e ações que conectem, chamem atenção e conquistem a adesão dos profissionais da empresa com as narrativas da empresa.

Quer continuar se informando sobre o assunto? Leia mais em: https://www.beboldcomunicacao.com.br/post/preparado-para-a-jornada-do-seu-cliente

Bianca Moura
Diretora

Você tabém pode se interessar…

BeBold News | Abril/Maio 24

Chegamos com uma nova edição da nossa News. Você vai saber mais sobre eventos vibrantes; a importância de promover a cultura organizacional;...

Por Lucas Chiquetto Em um ambiente digital frequentemente saturado, destacar-se – pelos motivos corretos – tem sido cada vez mais difícil.  Com...

No mundo dinâmico dos negócios, a comunicação interna é uma ferramenta de transmissão de informações fundamental na construção da cultura organizacional forte...

Fale Conosco
Enviar via WhatsApp